Associação Gaita-de-Foles A.P.E.D.G.F. APEDGF
Associação Portuguesa para o Estudo e Divulgação da Gaita-de-foles - Portuguese Bagpipe Society .'.
gaita - bagpipe - cornemuse - zampogna - dudelsack - bock - gaida - phìob - biniou - mezoued -zucra - duda - pipe - sackpipa
  Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola | Comprar | Orquestra de Foles Documentos  | Contactos

« Principal « Documentos « 4000 Anos de Música?
.

Ouvir 
Ouça uma pequena gravação dos sons produzidos pelos tubos encontrados na escavação.
 
In english?
A versão original deste artigo, em Inglês.

The article in English.

Espaco.gif (821 bytes)
Saber mais
Visite o site da companhia de escavações arqueológicas de Margaret Gowen para mais informações
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)
Espaco.gif (821 bytes)

4000 Anos de Música?
Instrumento musical pré-histórico único descoberto no condado de Wicklow, Irlanda.
Por Margaret Gowen
Publicado por Margaret Gowen & Co., 17 de Maio de 2004




Notícias nos jornais irlandeses durante a semana trouxeram a lume a descoberta de um instrumento musical com 4000 anos num "fulacht fiadh" (forno rudimentar) numa escavação arqueológica no condado de Wicklow, na Irlanda, perto da povoação de Greystones, a sul de Dublin.
A descoberta foi feita pela equipa da arqueóloga Margaret Gowen, que estava a preparar o terreno antes da sua utilização para um projecto de construção civil. Este é, até à data, o mais antigo instrumento musical de madeira descoberto em todo o mundo.
Desenganem-se, no entanto, aqueles que pensavam ter finalmente encontrado uma gaita-de-foles com 4000 anos. Nenhuma das evidências aponta nesse sentido...


Na sequência de um contrato feito pela Mountbrook Homes and Ballymore Properties Ltd, para levar a cabo um procedimento requerido para preparar um terreno para um empreendimento de construção civil em Glen, Charlesland, Greystones, no condado de Wicklow, a equipa de arqueólogos sob a direcção de Bernice Molloy, fez a descoberta no local de um "Fulacht Fiadh" (forno rudimentar).

O local, que se pensa ter sido usado como cozinha, é um dos muitos locais parcialmente preservados revelados por escavações e investigações arqueológicas relacionadas com um povoado da Idade do Bronze existente na região. Os sítios arqueológicos foram revelados, investigados e devidamente registados numa parceria bem sucedida com a empresa Mountbrook Homes and Ballymore Properties Ltd. 


Imagem: um aspecto dos tubos no local onde foram encontrados.

A descoberta consiste em seis cilindros de madeira de teixo, cinco deles paralelos, no fundo de um depósito rectangular revestido de madeira, que já conteve água. O tubo maior está danificado, mas tem cerca de 50 cm de comprimento. Os tubos foram cobertos e provavelmente escondidos, quando o local foi abandonado pela última vez.
Uma estaca de madeira usada na construção desse depósito foi datada por rádio-carbono entre 2120 AC e 2085 AC.

De volta ao laboratório, uma limpeza cuidada e uma breve pesquisa dos tubos, pôde revelar que estes eram feitos em madeira de teixo.
Não estão perfurados, como uma flauta, mas têm características que sugerem que estes fariam parte de um conjunto e que estariam fixos a uma outra peça, que desapareceu.

Sem que tenham sido descobertos até hoje quaisquer outros instrumentos semelhantes, prossegue o trabalho para determinar a que tipo de instrumento pertenceriam estes tubos.
Os peritos consultados até agora sugerem que os tubos, que não têm buracos para os dedos (como no caso de uma flauta de madeira, por exemplo), talvez tenham feito parte de um instrumento multi-tubular ou órgão de tubos. Este tipo de instrumentos usam os diferentes comprimentos da coluna de ar nos tubos para gerar a melodia ou os harmónicos do som do instrumento.


Imagem: um aspecto detalhado dos tubos.

Neste momento, peritos como o Dr. Peter Holmes, especialista na reconstrução de instrumentos antigos, do Reino Unido e Simon O’Dwyer, que vai publicar brevemente um livro sobre instrumentos musicais antigos da Irlanda, têm ajudado os arqueólogos na análise dos tubos.
A Drª Ann Buckley, do University College, de Maynooth e Frank Cullen, um artista e escultor de madeira, também já examinaram os tubos em causa.

Por coincidência, outros trabalhos sobre antigos instrumentos de madeira da Irlanda já estão em fase de pré-publicação e dois trabalhos de Greer Ramsey, do Museu do Condado de Armagh e de um especialista escocês, John Purser, serão brevemente publicados no "Ulster Journal of Archaeology".

Os esforços combinados da pesquisa e dos conhecimentos dos peritos levam a concluir, até agora, que este achado é verdadeiramente único e que estes são, provavelmente, os restos do mais antigo instrumento musical de madeira alguma vez descoberto no contexto europeu.
Algumas pesquisas indicam que os primeiros instrumentos musicais de madeira alguma vez encontrados datam do século V ou VI AC, enquanto que estes tubos de Charlesland são pelo menos 1000 anos mais antigos. 
Por outro lado, flautas de osso simples já foram descobertas, pertencendo a períodos tão antigos como o período do homem de Neanderthal. 
Por isso, sabe-se que a música era parte importante da vida das populações pré-históricas.

A Irlanda não tem falta de instrumentos musicais pré-históricos. Os mais notáveis são as trombetas de bronze do período final da Idade do Bronze e da Idade do Ferro. Mas os únicos instrumentos de madeira alguma vez encontrados nesse território até agora tinham sido quatro tubos curvos de madeira (também de teixo) descobertos em Killyfadda, no condado de Tyrone (400 AC) a trombeta de Bekan do condado de Mayo datada de 700 AC e uma pequena trombeta cónica de madeira, em River Erne, no condado de Fermanagh, datada de 700 AC.

Ainda não é claro como é que o instrumento seria tocado.
Nada se sabe do mecanismo (se é que houve algum) usado para fazer soar estes tubos, mas o facto de estes estarem ligados sugere que estes podem bem ter sido percursores de algum tipo de orgão de tubos antigo.
Todavia, experiências iniciais indicaram que os tubos podem emitir notas em Mi bemol, Lá bemol e Fá. O Mi bemol é um tom muito comum em trombetas irlandesas antigas.
O método usado para fabricar estes tubos ocos ainda é um mistério, mas é quase certo que não foi usado qualquer tipo de torno.

Fonte: Margaret Gowen & Co.
Tradução portuguesa: Associação Gaita de Foles


Algumas Notas Adicionais

Um tocador de Launeddas, 
da Sardenha (Itália).

A dúvida permanece sobre se se trata de uma flauta de pan ou muito simplesmente, algum tipo de orgão "primitivo", uma vez que, segundo a arqueóloga Margaret Gowen, já foram descobertas na China ilustrações do que aparentam ser pequenas flautas de pan ligadas a uma cabaça, que faz de câmara de ar comum, datadas de 1500 AC. Outro instrumento do género, consistindo num pequeno orgão de tubos de madeira com 2000 anos de antiguidade (datado do tempo do império romano) foi descoberto na Hungria. Esta é a hipótese mais provável para explicar o funcionamento destes tubos agora descobertos. Sem querermos lançar-nos em especulações infrutíferas, comentamos ainda que existem na Sardenha (entre outras regiões da Itália) instrumentos de palheta simples, que consistem num conjunto de canas paralelas, afinadas em diferentes tonalidades, chamadas de "Launeddas"; que se não são semelhantes aos tubos encontrados, podem pelo menos apontar para uma provável utilização de tais tubos. As Launeddas possuem, no entanto, buracos para o dedos em dois dos tubos, associados a um tubo simples (bordão), todos equipados com palhetas vibratórias de cana, que produzem o som. Os tubos encontrados na Irlanda são tubos simples e não possuem nenhuma dessas características.
A hipótese de este ser um instrumento ligado a um fole flexível, o que constítuiria o primeiro exemplar alguma vez encontrado de uma gaita-de-fole com tal antiguidade em todo o mundo, parece uma hipótese altamente improvável. Este instrumento não exibe qualquer tipo de tubo melódico, com buracos para os dedos ou sequer um tubo insuflador; para além disso, a própria disposição dos tubos desencoraja essa interpretação. Até hoje não foi descoberta qualquer referência concreta e inequívoca ao instrumento antes da Idade Média, em iconografias ou materiais arqueológicos, o que torna ainda mais difícil ter qualquer certeza quanto à origem e antiguidade do instrumento gaita-de-foles.
(Miguel Costa - Associação Gaita de Foles)

 


Início | Gaita-de-fole | Sócios | Actividades | Notícias | Escola de Gaitas |
Comprar | Orquestra de Foles | Documentos | Equipa | English  | Links | Contactos
Powered by RRMerlin

Associação Gaita de Foles - direitos reservados